IUIS Brazil Advanced Course on Vaccines

The IUIS-Brazil Advanced Course of Vaccines is an immersion course on advanced topics and current research on multiple aspects of vaccine development, including discovery, preclinical development, upscaling, manufacturing, clinical trials, and regulatory issues, with world-class specialists.

REGISTRATION DEADLINE: SEPTEMBER 1​, 2017

Registration is free of charge. A limited number of places is available (50)​.
​Latin American g​raduate students, postdocs and junior faculty ​doing research on vaccines or related issues ​are encouraged to apply.

Applications (abstract, CV, etc) will be subject to a selection process. The course will cover national or international travel and hotel expenses for a number of the selected students.

 

ZIKAlliance’s Clinical Meeting in Cuba

zikalliance

 

SIPAT 2017

sipat-2017

 

Jornada do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo

Estão abertas as inscrições para a “JORNADA DO INSTITUTO DE MEDICINA TROPICAL DE SÃO PAULO – USP”, dia 23 de junho de 2017, das 08h30 às 17h30, no Centro de Convenções Rebouças, 600, auditório vermelho.

Para efetuar sua inscrição e garantir sua presença, preencha o formulário que se encontra no link abaixo:
https://goo.gl/forms/4pxwRVF8LE4I5AhW2

Programação

Manhã – a partir das 8h30min

ABERTURA OFICIAL DO EVENTO

Profa. Dra. Ester C. Sabino (Diretora do IMT- USP) (08h30 às 09h00)

HOMENAGEM AOS EX-DIRETORES DO IMT

(09h00 às 09h30)

Prof. Dr. Vicente Amato Neto, Prof. Dr. Luís Carlos da Costa Gayotto (in memoriam), Prof. Dr. Thales de Brito, Prof. Dr. Marcos Boulos, Prof. Dr. Claudio Pannuti, Prof. Dr. Antonio Walter Ferreira e Prof. Dr. Paulo Cotrim)

PALESTRA do Prof. Dr. Thales de Brito “INSTITUTOS DE MEDICINA TROPICAL NO BRASIL E NO MUNDO” (09h30 às 10h00)

  1. PESQUISAS DE MECANISMOS DE INTERAÇÃO PATÓGENO – HOSPEDEIRO, PATOGENIA E VACINOLOGIA (10h00)

Abertura do tema: Prof. Dr. Thales de Brito

Apresentacões dos pesquisadores:

Prof. Dr. Antonio Sesso: “Células HeLa infectadas por Micoplasma hyhorinis produzem a forma bacteriana do parasito num citoplasma periférico transformado. O retículo endoplasmático e as mitocôndrias e eventualmente o aparelho de Golgi estão estruturalmente alterados”

Prof. Dr. Heitor Franco de Andrade Jr.: “Projetos em protozoologia médica”

Profa.  Dra. Maria Notomi Sato: Minoria “privilegiada” na infecção por HIV-1”

Prof. Dr. Dewton de Moraes Vasconcelos: “Suscetibilidade genética a infecções”

Prof. Dr. Carlos P. Taborda (vacinas): “Novas fronteiras: desenvolvimento de vacinas contra doenças fúngicas sistêmicas”

Profa. Dra. Hiro Goto: Imunopatogenia de leishmanioses”

Prof. Dr. Paulo C. Cotrim: “Identificação de genes relacionados com resistência a drogas em leishmaniose”

Prof. Dr. Gil Benard: “Hanseníase e imuno-senescência”

Discussão

2. DOENÇAS TROPICAIS E SAÚDE INTERNACIONAL: EPIDEMIOLOGIA (12h40min)

Apresentações dos pesquisadores:

Profa. Dra. Gerusa M. Figueiredo: “Pesquisas desenvolvidas na área de epidemiologia do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo”

Prof. Dr. Aluísio Augusto C. Segurado: “Consórcio ZikAlliance”

Profa. Dra. Ester C. Sabino: “Biomarcadores em doença de Chagas”

Discussão

ALMOÇO – 13 às 14 horas

Tarde  – a partir das 14h

3. DIAGNÓSTICO SOROLÓGICO E SUA CONTRIBUIÇÃO À SAÚDE PÚBLICA E ATENÇÃO MÉDICA (14h)

Abertura do tema: Prof. Dr. Antonio Walter Ferreira

Apresentações dos pesquisadores

Profa. Dra. Hiro Goto: Sorodiagnóstico de leishmanioses utilizando antígenos recombinantes de Leishmania

Dra. Fabiana Martins de Paula: ”Diagnóstico sorológico e molecular de enteroparasitoses”

Dra. Tânia Regina Tozetto Mendoza: “A evolução do diagnóstico sorológico no laboratório de Virologia”

Monica Scarpelli Vidal, MsC: “Sorologia nas infecções fúngicas”

Discussão

4. PESQUISA DE AGENTES ETIOLÓGICOS COM FERRAMENTAS MOLECULARES E SUA CONTRIBUIÇÃO À SAÚDE PUBLICA E ATENÇÃO MÉDICA (15h)

Abertura do tema: Dr. Jose Eduardo Levi

Apresentações dos pesquisadores:

Profa. Dra. Thelma Suely Okay:Ferramentas moleculares de diagnóstico, avaliação da suscetibilidade genética e de prognóstico em infecções congênitas, doença de Chagas e malária”

Prof. Dr. Jorge S. R. Casseb: “Retroviroses: Um problema de saúde pública?”

Dra. Michele Soares G. Gouvea: A importância das técnicas de biologia molecular no diagnóstico e monitoramento das hepatites virais”

Profa. Dra. Silvia Figueiredo Costa: “Resistência antimicrobiana”

Dra. Silvia M. F. Di Santi: Diagnóstico de malária: da Parasitologia à Biologia Molecular, diferentes ferramentas para desafios específicos”

Dr. José Ângelo L. Lindoso: PCR no diagnóstico da leishmaniose”

Dr. João Nóbrega de Almeida Jr.: “Diagnóstico molecular e por espectrometria de massa das infecções fúngicas hospitalares”

Dra. Fabiana Martins de Paula: ”Diagnóstico sorológico e molecular de enteroparasitoses”

Dra. Maria Cristina D. da Silva Fink: “A evolução do diagnóstico molecular no laboratório de Virologia”

Discussão

ENCERRAMENTO: 17h às 17h30min

Realização: Comissão de Pesquisa e

Comissão Organizadora da “Jornada do IMT”

Prof. Dr. Jorge S. R. Casseb

Profa. Dra. Hiro Goto

Dra. Lucia Maria Almeida Braz

Dra. Suzana A. Zevallos Lescano

Dr. Andrés Jimenez Galisteo Jr.

Sr. Almir Robson Ferreira.

Apoio: Instituto de Medicina Tropical de SP, Biomérieux e Thermo Fisher Scientific.

 

Pesquisadores trabalham para descobrir a disseminação oculta do vírus Zika no Brasil e nas Américas

PDF

Uma colaboração em pesquisa internacional vem estudando a genética do vírus Zika no Brasil e exterior, proporcionando uma nova compreensão da doença e sua rápida disseminação através do espaço e do tempo. A pesquisa traz implicações significantes para a saúde pública e possui potencial para melhorar as respostas a futuros surtos.

A Pesquisa, publicada hoje na Nature, foi conduzida pelas Universidades de Birmingham e Oxford, em parceria com a FioCruz Bahia e a Universidade de São Paulo, além do apoio do Ministério da Saúde.

Ao realizar o sequenciamento do genoma para entender a composição genética do vírus, a equipe conseguiu acompanhar a disseminação do vírus em todo o Brasil. O estudo mostrou que o estabelecimento da Zika no Brasil – e sua propagação para outras regiões – ocorreu antes que a transmissão nas Américas fosse descoberta. A partir da revelação desta epidemia “oculta”, os resultados irão ajudar cientistas a entenderem melhor a relação entre a epidemia de Zika e os relatos de problemas nos nascimentos e outras doenças.

Com pouco conhecimento na época sobre a epidemiologia e evolução do vírus Zika, os pesquisadores viajaram 2.000 km por todo o nordeste do Brasil em junho do ano passado. A equipe viajou em um micro-ônibus, equipado com modernos aparatos de sequenciamento de DNA móvel e testaram amostras de mais de 1.300 pacientes infectados com o vírus.

Em fevereiro de 2016, a Zika foi declarada “Emergência de Saúde Pública de Preocupação Internacional” pela Organização Mundial de Saúde (OMS) em resposta à evidência de que a infecção pode causar defeitos congênitos nos fetos de mulheres grávidas infectadas. O vírus pode ser transmitido de uma mulher grávida infectada para o seu bebê em desenvolvimento, causando problemas, incluindo microcefalia grave – uma condição que resulta em bebês que nascem com um menor tamanho da cabeça.

Dr. Nuno Faria, do Departamento de Zoologia da Universidade de Oxford, afirma: “Apesar de haver provavelmente milhões de casos do vírus Zika no Brasil, havia apenas um punhado de genomas de vírus conhecidos antes do nosso trabalho. Uma melhor compreensão da diversidade genética do vírus Zika é fundamental para a concepção da vacina e também para identificar áreas onde a vigilância é mais necessária “.
O professor Oliver Pybus, também do Departamento de Zoologia da Universidade de Oxford, disse: “Geramos genomas do vírus Zika para estabelecer a história epidêmica do vírus nas Américas. Mostramos que o vírus estava presente no Brasil por um ano inteiro antes dos primeiros casos confirmados em maio de 2015.

“Também descobrimos que o Nordeste do Brasil, que foi a região com mais casos registrados de Zika e microcefalia, foi a conexão da epidemia no Brasil e teve um papel importante na sua disseminação para grandes centros urbanos, como o Rio de Janeiro e São Paulo, antes de se espalhar pelas Américas. Agora temos uma melhor compreensão da epidemiologia do vírus “.

Durante a jornada de sequenciamento do genoma que percorreu todo o Brasil, os pesquisadores usaram o sequenciador de DNA portátil Minion da empresa Oxford Nanopore Technologies, que começou como uma empresa de spinout da Universidade de Oxford. O dispositivo portátil pesa menos de 100g e é alimentado pela porta USB de um laptop, por isso é ideal para o trabalho de campo através do país.

“O sequenciamento do genoma tornou-se uma poderosa ferramenta para o estudo de doenças infecciosas emergentes, no entanto, o sequenciamento do genoma diretamente de amostras clínicas sem isolamento permanece um desafio para vírus como Zika”, afirmou Nick Loman, da Escola de Biociências da Universidade de Birmingham.

“Desenvolvemos um novo protocolo que permite o sequenciamento genômico em tempo real – algo de vital importância na gestão de surtos virais, pois pode fornecer uma visão real sobre como um vírus está se espalhando, transmitindo e evoluindo.

“Além disso, utilizando equipamentos como o sequenciamento portátil de nanopore, fomos capazes de realizar pesquisas epidemiológicas de emergência mais rapidamente, para obter resultados imediatos enquanto trabalhamos no campo, ou enquanto estamos na estrada no Brasil.

“Este novo protocolo será sem dúvida muito benéfico para os pesquisadores que trabalham em áreas remotas em todo o mundo durante os tempos de surtos virais.”
O projeto de pesquisa foi financiado pelo Conselho de Investigação Médica Zika Rapid Response Initiative, USAID, e com o apoio do Wellcome Trust e do Fundo Newton. Isso destaca a importância de criar parcerias interinstitucionais confiáveis e compartilhar dados abertamente durante o trabalho de pesquisa de campo focado na doença.

Qual é o próximo passo? O professor Luiz Alcantara, da FioCruz Bahia, ressalta que: “O projeto agora está se expandindo para outras áreas geográficas do Brasil, onde estamos lidando não apenas com o vírus Zika, mas também com Dengue e Chikungunya, bem como com as recentes epidemias de Febre Amarela. A ameaça representada pelos vírus transmitidos pelos mosquitos no Brasil é grave e há uma necessidade urgente de entender melhor sua epidemiologia para evitar sua disseminação “.

Como parte de um esforço internacional de cooperação para compartilhar dados e resultados valiosos, o relatório foi publicado juntamente com dois artigos complementares sobre a genética e a evolução da epidemia do vírus Zika (para mais detalhes, ver DOI: 10.1038 / nature22400 e DOI: 10.1038 / nature22402). A Zika continua a ser uma ameaça significativa para a saúde pública e o trabalho destaca a necessidade de contínua pesquisa e vigilância da Zika e outros vírus transmitidos por mosquitos no Brasil. Juntos, os documentos pintam um quadro coletivo da escala de impacto da Zika, oferecendo recomendações potenciais para a futura detecção rápida e controle de epidemias de vírus.

Para mais informações ou entrevistas, contatar:

1. Emma McKinney, Assessora de Imprensa, Universidade de Birmingham, no 0121 414 6681 ou e.j.mckinney@bham.ac.uk
2. Lanisha Butterfield, Gerente de Relações Midiáticas, Universidade de Oxford, no 01865 280531 ou lanisha.butterfield@admin.ox.ac.uk

Veja o artigo em: http://www.nature.com/nature/journal/vaop/ncurrent/full/nature22401.html

 

Segurança no Campi USP – Prevenção é importante dentro e fora do Campus

Superintendência de Prevenção e Proteção Universitária

Acertadamente, o modelo de segurança adotado na USP é baseado numa estrutura que não dispõe de ferramentas administrativas legais que possam restringir as liberdades constitucionais das pessoas que integram ou não o espaço universitário. Foi construído com a observância dos pilares previstos em nossa Constituição Cidadã e será preservado.

Esta estrutura se baseia em duas forças motrizes principais, a participação de um extenso corpo de vigilância particular, contratado para fazer frente às necessidades de proteção patrimonial e de um quadro de funcionários próprios composto por Agentes de Vigilância e Vigias orgânicos.
O propósito da Superintendência de Segurança é criar condições que possibilitem a participação de todos os interessados na construção de uma cultura de paz. A participação de alunos, professores, funcionários, sindicato, agremiações e outros stakeholders é necessária e imprescindível para que a percepção de segurança seja melhorada.

O projeto se baseia em ações primárias que se destinam a resguardar a tranquilidade, salubridade e a segurança na USP. Não serão adotadas, em nenhuma hipótese, ações secundárias, mesmo porque não se dispõe de embasamento legal para este mister.

Considerando o estado democrático de direito, pauta seu projeto em princípios teóricos comunitários e em princípios democráticos, direcionando suas ações para a inclusão de todos no processo de melhoria da percepção de segurança, na solidariedade humana e na relação do indivíduo com o meio ambiente natural ou artificial.

Este projeto leva a uma forma de gestão que não privilegia as práticas reativas, mas sim, a todas as formas de prevenção. Passaremos do período de “ideia da força” para a “ideia de serviço” prestado com qualidade, com ética e moralidade, bem como alicerçado em exemplos de sucesso e em modernas técnicas de prevenção.

A Superintendência de Segurança desenvolverá uma série de ações que devem integrar um projeto de prevenção e proteção universitária denominado “UNIVERSIDADE SEGURA”. Este projeto, entretanto, depende da participação da comunidade uspiana para sua construção em todos campi e será capaz de criar oportunidades para que a cultura de paz seja definitivamente instalada na USP.

Prof. Dr. José Antonio Visintin
Superintendente de Prevenção e Proteção Universitária

Aplicativo Móvel de Segurança
Cartilha de Cuidados de Segurança USP

 

ZIKAlliance Kick-off Meeting in Brazil

Hosted by University Sao Paulo Medical School at the Centro de Convenções Rebouças ZIKAlliance, the multinational and multidisciplinary consortium coordinated by Inserm, the French National Institute of Health and Medical Research, and created in response to a Horizon 2020 funding call by the European Commission’s Directorate-General Research and Innovation, has officially started its activities with the kick-off meeting held in Brazil over the 4th and 5th December 2016.

The consortium, which gathers 52 institutional partners located in 18 countries, has met for the first time in São Paulo, Brazil, to coordinate and plan its working activities over the next 3 years. Over this timeframe, ZIKAlliance aims to link large observational multicentre cohort studies with basic scientific research to focus on three key objectives: understanding the impact of Zika virus infection during pregnancy and identifying short and medium term effects on newborns; tracking and documenting the natural history of Zika virus infection in humans and their environment in the context of other circulating arboviruses; building the overall capacity for preparedness research for future epidemic threats in Latin America and the Caribbean in collaboration with ZIKAction and ZikaPLAN.

To meet its three key objectives, ZIKAlliance has been organised in 9 work packages ranging from basic science, study of animals to establish if they carry Zika virus through to clinical research, with a focus on diagnostics and the social impact of Zika on the community.

In addition this consortium will join together in the fight against Zika with another 2 European Commission funded projects; ZIKAction and ZikaPLAN. Key areas for collaboration have been identified in the areas of harmonization of study protocols, the sharing of data, a common preparedness network (REDe), governance and common communication needs.

During the meeting each work package leader and co-leaders had the possibility to present and discuss their research agenda and future workplans. All efforts will be made to ensure good communication across the work packages to facilitate an efficient research response.

This work is supported by the European Union’s Horizon 2020 research and innovation programme under ZIKAlliance grant agreement No 734548.

For more information about ZIKAlliance or ZIKAlliance’s activities, please contact Xavier de Lamballerie (Scientific Coordinator) at xavier.de-lamballerie@univ-amu.fr or phone: +33 491324420; or Flavia Mariani (Project Manager) at flavia.mariani@zikalliance.eu or phone: +33 491324412.

 site: https://rede.tghn.org/

 

Dia Mundial de Combate ao HIV/AIDS ADEE 3002 2016

retrovirus-1116

 

Pit-Trop – Programa de Integração Tropical

Da Assessoria de Comunicação do IMT

O PIT-TROP – Programa de Integração Tropical promove, no dia 02 de dezembro, o seminário Understanding West Nile Virus Infection using our RNA-seq solution.

O evento integra a série de Seminários de Integração Acadêmica, do Programa de Pós-Graduação do Instituto de Medicina Tropical (IMT).

O seminário acontece às 10 horas, no Anfiteatro Mario Camargo do IMT.

O evento é gratuito, sem necessidade de inscrição prévia.

 

Deferimento das Inscrições para a Eleição de escolha do(a) Presidente e Vice-Presidente do CPE-IMT

A Diretora do IMT/USP, de acordo com o parágrafo único do art. 3º da Portaria IMT 02/2016, informa que foi deferida a inscrição da chapa única para a eleição para escolha do Presidente e do Vice-Presidente da Comissão de Pesquisa e Ética.
A chapa é composta por:
Presidente: Prof. Dr. Jorge Simão do Rosário Casseb
Vice-Presidente: Prof. Dr. Expedito José de Albuquerque Luna.

A eleição do Presidente e do Vice-Presidente da CPE ocorrerá na reunião do Conselho Deliberativo, a ser realizada em 14/06/2016.